Telescópio James Webb fotografa dois exoplanetas potenciais

Adriano Camargo
Adriano Camargo

Embora os cientistas já tenham descoberto mais de 5.000 exoplanetas, ou planetas fora do nosso sistema solar, é raro que qualquer telescópio consiga obter uma imagem deles.

Isso ocorre porque eles são tão pequenos e escuros em comparação com as estrelas que orbitam que é mais fácil detectar sua presença com base em seus efeitos na estrela, em vez de serem detectados diretamente.

No entanto, graças à sua sensibilidade excepcional, o Telescópio Espacial James Webb foi recentemente capaz de visualizar diretamente dois exoplanetas potenciais orbitando em torno de pequenos núcleos frios de estrelas mortas chamadas anãs brancas.

James Webb telescópio imagem
Telescópio James Webb (Imagem: NASA)

As anãs brancas são os núcleos que permanecem depois que uma estrela, como o nosso Sol, chega ao fim de sua vida. Dentro de cerca de 5 mil milhões de anos, o nosso Sol atingirá um tamanho muito maior, crescendo até 200 vezes o seu raio anterior e engolindo Mercúrio, Vénus e talvez até a Terra, antes de se transformar num núcleo frio.

Dentro de cerca de seis mil milhões de anos, tudo o que restará será este núcleo denso, emitindo apenas calor residual.

Devido à violência deste processo de expansão e colapso, os ambientes em torno das anãs brancas não são locais muito hospitaleiros para os planetas.

Apenas alguns objetos semelhantes a planetas foram descobertos orbitando anãs brancas, embora os pesquisadores que analisam a quantidade de metal encontrada sugiram que os planetas podem ser capazes de sobreviver à fase da anã vermelha.

Esses planetas seriam difíceis de detectar por causa da luz fraca emitida pelas anãs brancas, então pode haver muitos desses planetas por aí, mas eles são difíceis de detectar.

Pesquisadores que usam James Webb, no entanto, têm evidências do que parecem ser dois exoplanetas gigantes orbitando anãs brancas. Eles tiraram imagens diretas usando o instrumento MIRI de Webb, que era sensível o suficiente para ver o que parecem ser planetas, mesmo não tendo um coronógrafo – um tipo especial de sombra usado para bloquear a luz de uma estrela.

Exoplanetas
Exoplanetas (Imagem: NASA)

"A sensibilidade e resolução do MIRI, juntamente com o poder de captação de luz do James Webb, tornaram possível criar imagens de planetas gigantes de meia-idade, anteriormente invisíveis, orbitando estrelas próximas, todos sem coronógrafo”, disseram os autores no artigo que descreve a pesquisa.

Estes potenciais exoplanetas são particularmente interessantes porque dão uma antevisão do que poderá acontecer aos planetas gigantes do nosso sistema solar, como Júpiter e Saturno, dentro de milhares de milhões de anos.

A pesquisa foi publicada no The Astrophysical Journal Letters.

SAIBA MAIS!

Adriano Camargo
Adriano Camargo
Jornalista especializado em tecnologia há cerca de 20 anos, escreve textos, matérias, artigos, colunas e reviews e tem experiência na cobertura de alguns dos maiores eventos de tech do mundo, como BGS, CES, Computex, E3 e IFA.
recomenda: