EUA querem investigar uso de chips baratos produzidos na China

Adriano Camargo
Adriano Camargo

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos está programando uma investigação para identificar quais empresas do país adquirem chips legados de origem chinesa.

A secretária de comércio, Gina Raimondo, anunciou que a pesquisa terá início em janeiro, visando reduzir os riscos de segurança nacional relacionados à presença de chips chineses baratos na cadeia de suprimentos dos EUA.

Ela destacou a preocupação com práticas da China para expandir a produção de chips legados, prejudicando a competição entre empresas dos EUA. O foco da guerra comercial agora se estende aos chips "legados" (26 nm, 14 nm), enquanto anteriormente estava centrado em disputas por chips de última geração (7 e 5 nm).

chipset processador silicio tecnologia
Chips legados são muito importantes em eletrônicos (Imagem: Pixabay)

A China, atualmente uma potência na produção desses chips, oferece subsídios significativos às empresas de semicondutores que produzem esses produtos mais antigos. Enquanto muitas fabricantes ocidentais concentram-se em tecnologias mais recentes, os chips legados são essenciais para diversos produtos.

O Departamento de Comércio dos EUA busca estabelecer "condições equitativas" para a produção de chips legados por empresas do país, considerando que o custo para a produção de semicondutores nos EUA pode ser de 30% a 45% mais alto do que em outras partes do mundo.

O objetivo é criar regras e incentivos para aumentar a competitividade dos EUA nesse setor.

A resposta da China, divulgada pela embaixada em Washington, acusou os EUA de abuso do conceito de segurança nacional, alegando discriminação e tratamento injusto contra empresas de outros países, além de politização de questões de tecnologia científica.

VEJA TAMBÉM:

Adriano Camargo
Adriano Camargo
Jornalista especializado em tecnologia há cerca de 20 anos, escreve textos, matérias, artigos, colunas e reviews e tem experiência na cobertura de alguns dos maiores eventos de tech do mundo, como BGS, CES, Computex, E3 e IFA.
recomenda: